Carrinho de compras
Seu carrinho está vazio

Peças Exclusivas

Novidades toda semana

Parcelamento Diferenciado

6x sem juros e em 21x com acréscimo

Compra 100% Segura

Alta tecnologia

Entrega no Brasil

Cobertura Nacional

14/11/2023

Todos os tipos de mecanismos dos relógios

Você já se perguntou como os relógios funcionam? Como eles conseguem medir o tempo com precisão e mostrar as horas, os minutos e os segundos? Por trás de cada relógio, há um mecanismo que é responsável por essa tarefa. Esse mecanismo é chamado de movimento ou calibre do relógio.

Existem diferentes tipos de movimentos de relógios, cada um com suas características, vantagens e desvantagens. Neste texto, vamos explicar os principais tipos de movimentos e como eles funcionam. Assim, você poderá conhecer mais sobre o universo da relojoaria e escolher o relógio que mais se adapta ao seu gosto e necessidade.

 Movimento mecânico manual

O movimento mecânico manual é o mais antigo e tradicional tipo de movimento. Ele é composto por várias peças mecânicas, como molas, engrenagens, rodas e pinhões, que trabalham em conjunto para gerar e transmitir energia ao relógio.

Para que o relógio funcione, é preciso dar corda manualmente, girando a coroa (o botão lateral do relógio). Isso faz com que a mola principal se enrole e armazene energia. Essa energia é liberada gradualmente por um mecanismo chamado escapamento, que regula a velocidade do movimento. O escapamento transmite impulsos ao balanço, que oscila para frente e para trás, fazendo com que o ponteiro dos segundos avance.

O movimento mecânico manual tem como vantagens a beleza, a complexidade e a durabilidade. Ele é considerado uma obra de arte da engenharia e pode durar por décadas se bem cuidado. Além disso, ele não depende de baterias ou fontes externas de energia.

Por outro lado, o movimento mecânico manual tem como desvantagens a necessidade de dar corda frequentemente (geralmente uma vez por dia), a sensibilidade a choques, temperaturas e campos magnéticos e a menor precisão em relação a outros tipos de movimentos. Ele pode atrasar ou adiantar alguns segundos por dia.

Movimento mecânico automático

O movimento mecânico automático é uma evolução do movimento mecânico manual. Ele também é composto por peças mecânicas, mas tem um diferencial: ele se auto-carrega com o movimento do pulso do usuário. Ou seja, ele dispensa a necessidade de dar corda manualmente.

Isso é possível graças a um componente chamado rotor, que é uma massa oscilante que gira em torno de um eixo. O rotor capta o movimento do pulso e transfere essa energia para a mola principal, que mantém o relógio funcionando. O resto do mecanismo é semelhante ao do movimento mecânico manual.

O movimento mecânico automático tem como vantagens a praticidade, a beleza e a durabilidade. Ele é mais conveniente do que o movimento mecânico manual, pois não precisa ser enrolado todos os dias. Ele também é admirado pelos amantes da relojoaria pela sua complexidade e elegância. Ele pode durar por muito tempo se bem cuidado.

Por outro lado, o movimento mecânico automático tem como desvantagens a sensibilidade a choques, temperaturas e campos magnéticos e a menor precisão em relação a outros tipos de movimentos. Ele também pode parar de funcionar se ficar muito tempo sem ser usado (geralmente entre 24 e 72 horas). Nesse caso, é preciso dar corda manualmente ou usar um dispositivo chamado watch winder para mantê-lo em movimento.

Movimento de quartzo

O movimento de quartzo é o tipo mais comum e moderno de movimento. Ele foi inventado na década de 1960 e revolucionou a indústria relojoeira pela sua simplicidade, precisão e baixo custo. Ele é composto por poucas peças, sendo a principal delas um cristal de quartzo.

Para que o relógio funcione, é preciso uma bateria que forneça energia elétrica ao circuito integrado do relógio. Esse circuito envia pulsos elétricos ao cristal de quartzo, que vibra a uma frequência constante de 32.768 Hz. Essa frequência é dividida por um contador até chegar a 1 Hz, que é o equivalente a um pulso por segundo. Esse pulso é enviado ao motor, que aciona os ponteiros do relógio.

O movimento de quartzo tem como vantagens a precisão, a praticidade e o baixo custo. Ele é o tipo mais preciso de movimento, podendo atrasar ou adiantar apenas alguns segundos por mês. Ele também é muito prático, pois não precisa de manutenção frequente, apenas da troca da bateria a cada alguns anos. Ele é o tipo mais barato de movimento, pois tem poucas peças e pode ser produzido em massa.

Por outro lado, o movimento de quartzo tem como desvantagens a dependência da bateria, a simplicidade e a falta de charme. Ele precisa de uma fonte externa de energia para funcionar, o que pode ser um inconveniente se a bateria acabar em um momento inoportuno. Ele também é muito simples e não tem o mesmo apelo estético e emocional dos movimentos mecânicos. Ele é visto por alguns como um relógio descartável e sem personalidade.

Movimento cinético

O movimento cinético é um tipo híbrido de movimento, que combina elementos do movimento mecânico automático e do movimento de quartzo. Ele foi desenvolvido pela Seiko na década de 1980 e é uma das suas marcas registradas.

Para que o relógio funcione, ele usa o mesmo princípio do movimento mecânico automático: ele capta o movimento do pulso do usuário e converte essa energia em energia elétrica. Porém, em vez de armazenar essa energia na mola principal, ele armazena em um capacitor ou em uma bateria recarregável. Essa energia é usada para alimentar o circuito integrado e o cristal de quartzo, que regulam o tempo com precisão.

O movimento cinético tem como vantagens a precisão, a praticidade e a sustentabilidade. Ele é tão preciso quanto o movimento de quartzo, mas não precisa de troca de bateria. Ele também é mais prático do que o movimento mecânico automático, pois não precisa de watch winder ou corda manual se ficar parado por muito tempo. Ele ainda é mais sustentável do que o movimento de quartzo, pois não gera lixo eletrônico.

Por outro lado, o movimento cinético tem como desvantagens a complexidade, a sensibilidade e o custo. Ele é mais complexo do que os outros tipos de movimentos, pois envolve componentes elétricos e mecânicos. Ele também é mais sensível a choques, temperaturas e campos magnéticos do que o movimento de quartzo. Ele ainda é mais caro do que o movimento de quartzo, pois requer mais tecnologia e qualidade.

Movimento solar

O movimento solar é um tipo especial de movimento de quartzo, que usa a luz como fonte de energia. Ele foi criado pela Citizen na década de 1970 e é uma das suas inovações mais famosas.

Para que o relógio funcione, ele usa células fotovoltaicas que ficam sob o mostrador do relógio. Essas células captam a luz natural ou artificial e transformam em energia elétrica. Essa energia é armazenada em uma bateria recarregável, que alimenta o circuito integrado e o cristal de quartzo.

O movimento solar tem como vantagens a precisão, a praticidade e a sustentabilidade. Ele é tão preciso quanto o movimento de quartzo, mas não precisa de troca de bateria. Ele também é muito prático, pois se recarrega automaticamente com qualquer tipo de luz. Ele ainda é muito sustentável, pois usa uma fonte renovável e limpa de energia.

Por outro lado, o movimento solar tem como desvantagens a dependência da luz, a fragilidade e o custo. Ele precisa de uma fonte externa de energia para funcionar, o que pode ser um problema se ficar muito tempo no escuro ou em ambientes fechados. Ele também é mais frágil do que os outros tipos de movimentos, pois pode sofrer danos nas células fotovoltaicas ou na bateria recarregável. Ele ainda é mais caro do que o movimento de quartzo convencional, pois requer mais tecnologia.